Prefeitura de Goiânia envia boletos do IPTU com vencimento em 21 de fevereiro

Quem optar por pagar o imposto à vista terá 10% de desconto, mas quantia pode ser parcelada em até 11 vezes. Boleto também pode ser retirado e pago pela internet.

Por Guilherme Henrique, TV Anhanguera

Vista panorâmica de Goiânia, mercado imobiliário, Goiás — Foto: Vanessa Martins/G1

Vista panorâmica de Goiânia, mercado imobiliário, Goiás — Foto: Vanessa Martins/G1

Moradores de Goiânia já começaram a receber o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de 2019. O boleto vence no próximo dia 21. Quem optar pelo pagamento total à vista terá 10% de desconto, mas a quantia também pode ser parcelada em até 11 vezes.

De acordo com o Correios, responsável pelo processo de entrega, a expectativa é que guias de pagamento cheguem a todos os contribuintes até o próximo dia 10 deste mês. O boleto também pode ser retirado e pago pela internet, no site da Prefeitura de Goiânia.

A prefeitura alerta que os boletos contam com dois códigos de barras, sendo que um para o pagamento à vista e outro para o parcelado. A Secretaria Municipal de Finanças (Sefin) estima que, deve receber cerca de R$ 600 milhões.

De acordo com a Prefeitura, este ano, o IPTU foi corrigido apenas pela inflação acumulada em 2018 que, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 4,39%.

Atraso no pagamento

Conforme o regulamento do Código Tributário Municipal (CTM), o não pagamento dos impostos na data de vencimento provoca incidência mensal de multa de 2%, mais 0,33% por dia corrido de atraso até o limite de 10% e de juros de 1% rateado pela quantidade de dias em aberto.

O não pagamento de três parcelas, de forma consecutiva ou não, acarreta no vencimento antecipado de todas as outras remanescentes, na inscrição do débito integral na Dívida Ativa, no Cadastro de Inadimplentes (Cadin), em protesto cartorário, negativação dos devedores junto a órgãos de proteção ao crédito, como SPC e Serasa, e até em cobrança judicial da Dívida.

Assim, além do valor do imposto e das correções resultantes do atraso, o morador passar a ter que arcar também com as taxas cobradas pelos cartórios e pelos custos do poder judiciário.