Jornal Cometa

PF deflagra nova fase de operação que investiga corrupção em obras do trecho Norte do Rodoanel

PF deflagra nova fase de operação que investiga corrupção em obras do trecho Norte do Rodoanel

30 janeiro
11:16 2019

Por G1 SP

Obras do trecho Norte do Rodoanel — Foto: TV Globo/Reprodução

Obras do trecho Norte do Rodoanel — Foto: TV Globo/Reprodução

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (29) a segunda fase da Operação Pedra no Caminho, que apura indícios de corrupção em obras do trecho Norte do Rodoanel. Nesta etapa, somente mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em endereços ligados à construtora OAS, na Bahia e em São Paulo.

Em junho do ano passado, na primeira fase da operação, 14 pessoas foram presas em São Paulo. Na época, o Ministério Público estimava superfaturamento nas obras do Rodoanel Norte da ordem de R$ 600 milhões.

De acordo com a PF, agora foram identificados indícios de fatos criminosos diferentes dos que estavam sendo investigados inicialmente, e um novo inquérito policial foi aberto. A identificação de novos elementos só foi possível depois da análise de documentos e depoimentos.

Segundo investigadores, a OAS liderava as construtoras que participaram do projeto e terceirizava os serviços. As empresas terceirizadas, segundo os delatores, devolviam à OAS o dinheiro que sobrava, pois havia sobrepreço. Com a sobra, a OAS pagava propina à Dersa, estatal paulista responsável pela obra suspeita do Rodoanel.

Nesta quarta-feira, policiais federais cumprem quatro mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo (SP), Santana do Parnaíba (SP) e Salvador (BA). Todos foram expedidos, a pedido da PF, pela 5ª Vara Criminal Federal de São Paulo. Os alvos eram dois diretores da OAS, o canteiro de obras e um arquivo terceirizado da OAS.

Nesta fase, são investigados os crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa, com penas de 2 a 12 anos de prisão.

A reportagem tenta contato com a OAS e com a Dersa.

Quando a primeira fase da operação foi deflagrada, em junho, a empresa informou que “os atuais gestores da construtora têm prestado​ às autoridades todos os esclarecimentos a respeito de atividades e contratos sobre os quais haja questionamentos – no ​projeto do Rodoanel​ em particular e em todos os outros que realiza”.

Na ocasião, a Dersa informou em nota que o órgão e governo de São Paulo “são os maiores interessados acerca do andamento do processo”. “Havendo qualquer eventual prejuízo ao erário público, o Estado adotará as medidas cabíveis, como já agiu em outras ocasiões”, dizia a nota.

About Author

jornalcometa

jornalcometa

Related Articles

App Jornal Cometa