Jornal Cometa

Moro condena Renato Duque, Léo Pinheiro, ex-tesoureiro do PT e mais 10 réus em ação penal da Lava Jato

Moro condena Renato Duque, Léo Pinheiro, ex-tesoureiro do PT e mais 10 réus em ação penal da Lava Jato

14 maio
18:37 2018

Investigados foram alvo da 31ª fase da operação; Duque e Pinheiro foram condenados a mais de dois anos pelo crime de corrupção, e o ex-tesoureiro Paulo Ferreira a mais de 9 anos por lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Por Adriana Justi e Erick Gimenes, G1 PR, Curitiba

Renato Duque é um dos réus no processo (Foto: Reprodução) Renato Duque é um dos réus no processo (Foto: Reprodução)

Renato Duque é um dos réus no processo (Foto: Reprodução)

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, condenou o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e o ex-executivo da construtora OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, pelos crimes de corrupção passiva e ativa, respectivamente, em um processo da Lava Jato.

O ex-tesoureiro do PT Paulo Adalberto Alves Ferreira também foi condenado a 9 anos e 10 meses em regime fechado pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Duque foi condenado a dois anos e oito meses em regime semiaberto e Pinheiro a dois anos e seis meses em regime aberto. Outros 10 réus também foram condenados no processo. Veja a lista completa abaixo.

Erasto Messias da Silva Júnior foi absolvido de todas imputações e Edison Freire Coutinho e Agenor Franklin Magalhães Medeiros foram absolvidos do crime de lavagem de dinheiro.

Os investigados foram alvo da 31ª fase da Lava Jato, batizada de Abismo, e que foi deflagrada em julho de 2016. A ação investiga crimes de organização criminosa, cartel, fraudes licitatórias, corrupção e lavagem de dinheiro por meio de contratos da Petrobras.

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal (PF) afirmam que o Consórcio Novo Cenpes pagou R$ 39 milhões em propina para conseguir um contrato na Petrobras entre 2007 e 2012. A obra licitada era a do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes).

O consórcio era composto pela OAS, Carioca Engenharia, Construbase Engenharia, Schahin Engenharia e Construcap CCPS Engenharia. OAS e Shahin Engenharia já eram investigadas pela Lava Jato.

No despacho, Moro destacou que a prática do crime de corrupção que incide sobre Renato Duque e Léo Pinheiro envolveu o pagamento de R$ 20.658.100,76. “Um valor muito expressivo a executivos da Petrobras e a agentes políticos”, disse.

As investigações da 31ª fase se deram após o acordo de leniência e de colaboração premiada com a empresa Carioca Engenharia e seus principais executivos, que reconheceram o acerto para beneficiar o Consórcio Novo Cenps e o pagamento de propinas aos envolvidos, conforme a força-tarefa da Lava Jato.

O G1 tenta contato com a defesa dos condenados.

Veja quem são os condenados e os respectivos crimes

  • Adir Assad – lavagem de dinheiro – 5 anos e 10 meses em regime semiaberto;
  • Agenor Franklin Magalhães Medeiros – corrupção ativa – 2 anos e 6 meses em regime aberto;
  • Alexandre Correa de Oliveira Romano – lavagem de dinheiro associação criminosa – 9 anos e 4 meses em regime fechado;
  • Edison Freire Coutinho – corrupção ativa e associação criminosa – 5 anos em regime semiaberto;
  • Genésio Schiavinato Júnior – corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa – 12 anos e 8 meses em regime fechado;
  • José Aldemário Pinheiro Filho – corrupção ativa – 2 anos e seis meses em regime aberto;
  • José Antônio Marsílio Schwarz – lavagem de dinheiro e associação criminosa – 5 anos e 6 meses em regime semiaberto;
  • Paulo Adalberto Alves Ferreira – lavagem de dinheiro e associação criminosa – 9 anos e 10 meses em regime fechado;
  • Renato de Souza Duque – corrupção passiva – 2 anos e 8 meses em regime semiaberto;
  • Ricardo Backheuser Pernambuco – corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa – 9 anos e seis meses em regime fechado;
  • Rodrigo Morales – lavagem de dinheiro – 6 anos e 10 meses em regime semiaberto;
  • Roberto Ribeiro Capobianco – corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa – 12 anos em regime fechado;
  • Roberto Trombeta – lavagem de dinheiro – 6 anos e 10 meses em regime semiaberto;

Na decisão, Moro destacou que os réus que têm acordo de delação premiada possuem benefícios como redução de pena.

Dinheiro para escola de samba

Entre as contas utilizadas para a realização dos repasses estão as da escola de samba Estado Maior da Restinga, de Porto Alegre e da madrinha da bateria da agremiação, que receberam R$ 45 mil e R$ 61,7 mil, respectivamente.

A época da acusação, o presidente da escola Estado Maior da Restinga Robson Dias disse que repasse de R$ 45 mil tinha sido feito para bancar uma viagem à China, que seria tema do enredo da agremiação no carnaval de 2010, mas que não sabia que os recursos eram da Petrobras.

Veja mais notícias da região no G1 Paraná.

About Author

jornalcometa

jornalcometa

Related Articles

App Jornal Cometa