‘Jogador de futebol é tudo vagabundo’; frase dita por PM acaba em condenação para GDF

Governo do Distrito Federal terá que pagar R$ 5 mil de indenização por ‘abordagem abusiva’. Caso ocorreu em 2013.

Por G1 DF

Bola de futebol — Foto: Hugo Crippa / Globoesporte.com

Bola de futebol — Foto: Hugo Crippa / Globoesporte.com

O Distrito Federal foi condenado pela Justiça a pagar uma indenização de R$ 5 mil, para um jogador de futebol, por abordagem abusiva da Polícia Militar. O caso ocorreu em uma parada de ônibus, próximo ao Estádio Serejão, na região de Taguatinga, em setembro de 2013.

Estádio Serejão, na região de Taguatinga, em setembro de 2013.

Marcelo Wan Baster, que na época tinha 19 anos, estava saindo de um treino quando foi abordado por dois policiais. Segundo testemunhas, “ele recebeu um tapa na cabeça” e, depois, quando disse que era jogador, foi agredido verbalmente.

“Jogador de futebol é tudo vagabundo”, disse o PM, segundo testemunhas.

O pai de Marcelo, que também estava no local, afirma que um dos PMs ainda segurou o braço do jovem, enquanto o ofendia.

O policial que agrediu o jogador foi submetido a uma Auditoria Militar e condenado a sete meses de detenção. Procurada pelo G1, a Procuradoria-Geral do Distrito Federal informou que aguarda ser informada da decisão “para tomar as medidas cabíveis”.

 

A sentença foi dada pelo juiz titular do 3º Juizado Especial da Fazenda Pública, por danos morais à vítima. Para o magistrado, “o acervo de provas aponta que houve excessos por parte do policial militar”.

“Assim, em virtude da conduta do policial militar que extrapola os limites do exercício da atuação do Estado, tais atos são passíveis de responsabilização, ensejando a sua condenação por danos morais”, registrou o juiz.

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.