Jornal Cometa

Dia Nacional do Choro: grupo de Brasília premiado em Nova York faz homenagem a Pixinguinha

Dia Nacional do Choro: grupo de Brasília premiado em Nova York faz homenagem a Pixinguinha

23 abril
10:00 2018

Sai da Frente faz dois shows em comemoração à data. Veja outros eventos na cidade.

Por Luiza Garonce, G1 DF

Músicos do grupo de choro Sai da Frente tocam no estúdio do G1 em Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução) Músicos do grupo de choro Sai da Frente tocam no estúdio do G1 em Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)

Músicos do grupo de choro Sai da Frente tocam no estúdio do G1 em Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)

No dia em que Pixinguinha – o maior nome do choro e um dos grandes representantes da música brasileira – completaria 121 anos, Brasília começa a celebrar o Dia Nacional do Choro com shows em espaços representativos da música instrumental na capital (veja lista ao final da reportagem).

Entre eles, estão os do grupo Sai da Frente, vencedor do prêmio Independet Music Awards (IMA) 2018 pelo álbum de estreia. Os músicos Victor Angeleas (bandolim), Vinicius Vianna (violão), Nelsinho Serra (cavaquinho) e Júnio Viégas (pandeiro) se apresentam às 21h, nesta terça (24) e quarta (25), no Clube do Choro.

G1 Cultural entrevista o grupo de choro Sai da Frente, premiado em Nova York

G1 Cultural entrevista o grupo de choro Sai da Frente, premiado em Nova York

O grupo, formado em 2007, dedica o reconhecimento internacional do disco à produção musical brasiliense. “Esse selo de qualidade é da cultura de Brasília e a gente tá fazendo parte dessa história”, explicou Nelsinho Serra ao G1.

O IMA é considerado o “Grammy” da música independente e premia, todos os anos, os melhores álbuns, EPs, músicas, videoclipes e produções do mundo em cerca de 90 categorias. Na última edição, realizada em 31 de março, 400 candidatos concorreram ao prêmio.

Nelsinho Serra, do grupo de choro Sai da Frente, toca cavaquinho no estúdio do G1 em Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução) Nelsinho Serra, do grupo de choro Sai da Frente, toca cavaquinho no estúdio do G1 em Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)

Nelsinho Serra, do grupo de choro Sai da Frente, toca cavaquinho no estúdio do G1 em Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)

Ganhar o IMA, segundo os integrantes do Sai da Frente, é resultado de viver na capital que concentra quatro grandes centros de estudos musicais: a Escola de Música, o Clube do Choro, a Escola de Choro Raphale Rabello e a faculdade de música da Universidade de Brasília (UnB).

“A gente só tá onde a gente tá hoje, musicalmente, por conta da nossa cidade. Porque é uma cidade que respira música, tem uma energia diferente”, disse Victor Angeleas. “Os músicos que vêm de fora sempre pergunta o que acontece nessa cicdade, porque aqui tem músicos de excelência.”

Bandolinista Victor Angeleas do grupo de choro Sai da Frente, de Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução) Bandolinista Victor Angeleas do grupo de choro Sai da Frente, de Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)

Bandolinista Victor Angeleas do grupo de choro Sai da Frente, de Brasília (Foto: TV Globo/Reprodução)

“A cena cultural toda [de Brasília]… Por a cidade ser nova, e ter muita gente de fora, [essas pessoas] trazem a tradição delas. Neste ponto, o jazz é muito forte, o rock, o sertanejo, o choro, música clássica, instrumental”, completou Serra.

Pixinguinha e o choro

Alfredo da Rocha Vianna Filho nasceu em 23 de abril de 1897 no Rio de Janeiro. Flautista, saxofonista, compositor e arranjador, ficou consagrado pelo apelido Pixinguinha – nome derivado de outro apelido que a avó lhe atribuíra: Pizindim, que siginifica “menino bom” em um dialeto africano.

Músico carioca Pixinguinha (Foto: TV Liberal/Reprodução) Músico carioca Pixinguinha (Foto: TV Liberal/Reprodução)

Músico carioca Pixinguinha (Foto: TV Liberal/Reprodução)

Considerado um dos maiores nomes da música brasileira, Pixinguinha foi um precursor do choro, sendo responsável pela popularização do gênero no país. Por isso, Hamilton de Holanda e a Escola de Choro Raphael Rabello sugeriram que o Dia Nacional do Choro fosse comemorado na data de aniversário do mestre. A lei que marcou a celebração no calendário foi sancionada em 2000.

Pixinguinha morreu no Rio de Janeiro em 17 de fevereiro de 1973, aos 75 anos.

Aumenta o som!

Músicos dos grupos Imagem e Confraria Samba Choro, que fazem uma roda especial para comemorar o Dia Nacional do Choro nesta terça (23) em Brasília (Foto: Renata Samarco/Divulgação) Músicos dos grupos Imagem e Confraria Samba Choro, que fazem uma roda especial para comemorar o Dia Nacional do Choro nesta terça (23) em Brasília (Foto: Renata Samarco/Divulgação)

Músicos dos grupos Imagem e Confraria Samba Choro, que fazem uma roda especial para comemorar o Dia Nacional do Choro nesta terça (23) em Brasília (Foto: Renata Samarco/Divulgação)

Roda de Choro Especial
Shows dos grupos Confraria Samba Choro, Imagem e Os Seis Companheiros, formados por alunos da Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello.
Data: 23 de abril
Hora: 20h
Local: Clube do Choro de Brasília – ao lado da Torre de TV
De graça

Show na Praça
A festa começa às 19h com show com o violeiro Cacai Nunes. Às 20h, ten apresentação do violonista Fernando César ao lado dos músicos Thanise Silva (flauta), Júnior Ferreira (acordeão), Pedro Vasconcellos (cavaquinho) e Valerinho Xavier (pandeiro). O cantor e compositor Renato Teixeira encerra a noite de shows às 21h.
Data: 23 de abril
Hora: 19h, 20h e 21h
Local: Praça dos Três Poderes
De graça

Sai da Frente
Data: 24 e 25 de abril
Hora: 21h
Local: Clube do Choro de Brasília – ao lado da Torre de TV
Ingresso: site oficial

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

Seja o primeiro a comentar

About Author

jornalcometa

jornalcometa

Related Articles

App Jornal Cometa