‘Bispo’ evangélico é preso suspeito de abusar de fiéis, diz Polícia Civil do DF

Por Afonso Ferreira, G1 DF

Fachada da Igreja Evangélica Ministério Arca Deus Presente, no DF, onde homem se intitulava bispo e, segundo polícia, abusava de crianças, adolescentes e mulheres jovens — Foto: Google Maps/Reprodução

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu, nesta quarta-feira (19), um homem suspeito de abusar de fiéis de uma igreja evangélica no Recanto das Emas. Conforme a investigação, as vítimas são crianças, adolescentes e jovens com até 21 anos (veja mais abaixo).

De acordo com o delegado Pablo Aguiar, da 27ª Delegacia de Polícia, o homem se intitulava “bispo” do templo religioso para cometer os crimes. O nome do suspeito, que tem 40 anos, não foi divulgado.

Ele foi detido no estacionamento do Aeroporto Internacional de Brasília, quando chegava de uma viagem de Foz do Iguaçu (PR). O G1 tenta localizar os responsáveis pelo templo.

A prisão é preventiva – por tempo indeterminado. Conforme o delegado, as vítimas são todas do sexo feminino e faziam trabalho voluntário na igreja.

“Ele conseguia ludibriar as famílias das vítimas para abusar das fiéis. Os abusos aconteciam dentro da igreja.”

‘Tratamento com óleo ungido’

Um dos crimes ocorreu em 2017, no Recanto das Emas. Segundo a polícia, uma adolescente, de 13 anos, foi pedir conselhos ao religioso, em relação a sexualidade dela. O auto-intitulado “bispo” propôs um tratamento, relata o delegado Pablo Aguiar.

“O tratamento consistia em passar um óleo ungido pelo corpo e nas partes íntimas das meninas.”

A vítima contou que o religioso a buscava em casa. A justificativa era a necessidade de ir à igreja mais cedo para resolver questões relacionadas ao culto. Mas, ao chegar, ele cometia os abusos, disse a adolescente aos policiais.

A menina afirmou ainda que o homem pediu fotos dela nua, para ele “orar no monte”. Após 2 anos, quando começou a apresentar problemas psicológicos, a garota contou aos pais sobre os abusos.

“Foi essa família que procurou a delegacia”, aponta Aguiar.

Delegado-chefe da 27ª DP, Pablo Aguiar — Foto: Lucas Salomão/G1

Delegado-chefe da 27ª DP, Pablo Aguiar — Foto: Lucas Salomão/G1

Histórico de abusos sexuais

De acordo com o delegado Pablo Aguiar, o religioso negou o crime e contou que comanda oito igrejas no DF. Mas, conforme a investigação, o suspeito tem histórico de abusos sexuais.

“Ele chegou a ser condenado duas vezes e foi absolvido outras duas.”

No Recanto das Emas, o auto-intitulado bispo foi indiciado por estupro de vulnerável. Já em Goiânia (GO), em 2013, ele foi condenado a 7 anos e 10 meses também por estupro de vulnerável.

Em 2016, o suposto religioso cometeu outro crime de violência sexual e foi condenado a 4 anos e 8 meses em regime semi-aberto, no Distrito Federal.

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter