Após levante frustrado, Juan Guaidó faz nova tentativa de voltar militares contra Nicolás Maduro – Jornal Cometa

Jornal Cometa

Após levante frustrado, Juan Guaidó faz nova tentativa de voltar militares contra Nicolás Maduro

Após levante frustrado, Juan Guaidó faz nova tentativa de voltar militares contra Nicolás Maduro

04 maio
11:21 2019

Juan Guaidó discursa em Caracas na quarta-feira (1º) — Foto: Reuters/Carlos Garcia Rawlins

Juan Guaidó discursa em Caracas na quarta-feira (1º) — Foto: Reuters/Carlos Garcia Rawlins

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, convocou nova mobilização nas “principais unidades militares de todo o país” para a manhã deste sábado (4). É mais uma tentativa da oposição de conquistar o apoio das Forças Armadas contra o regime de Nicolás Maduro.

“Seguimos na rua! Amanhã, sábado, às 10h (11h, de Brasília), mobilizaremos as principais unidades militares em todo o país. Em paz, para seguir somando e sem cair em provocações. Fiquem atentos aos pontos de concentração que serão anunciados”, diz o chamado, publicado na sexta-feira pelo Twitter.

Até a noite desta sexta-feira, a oposição liderada por Guaidó não havia informado detalhes sobre essa movimentação nem os locais exatos onde ocorreriam.

Na terça-feira, Guaidó liderou um movimento em frente à base aérea La Carlota e disse que havia conseguido o apoio de integrantes das Forças Armadas. Entretanto, os militares de alta patente mantiveram o respaldo a Maduro.

Houve confrontos violentos em Caracas, principalmente na terça e na quarta-feira. Ao menos cinco pessoas morreram, de acordo com levantamento da ONU.

Para este sábado, Guaidó pediu que a manifestação ocorresse de forma “absolutamente pacífica”. “Vamos somar mais para produzir a transição”, escreveu, no Twitter.

O autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, participou nesta sexta (3) de um encontro com trabalhadores da PDVSA — Foto: Manaure Quintero/Reuters

O autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, participou nesta sexta (3) de um encontro com trabalhadores da PDVSA — Foto: Manaure Quintero/Reuters

Maduro, na quarta-feira, acusou a oposição liderada por Juan Guaidó de querer iniciar uma guerra civil na Venezuela. Em discurso, o chavista ainda insinuou que os Estados Unidos poderiam ordenar invasão militar caso a tensão interna escalasse para um conflito armado.

“Se tivéssemos mandado tanques para os enfrentar, o que teria acontecido? Um massacre entre venezuelanos”, afirmou Maduro.

Guaidó, do outro lado, pediu aos aliados que saiam para protestar todos os dias, no que denomina “Operação Liberdade” para tirar os chavistas do poder.

“Todos os dias vamos ter ações de protesto até obter a liberdade. Vamos insistir até conquistar nosso objetivo”, disse.

Disputa pelas Forças Armadas

Imagem mostra Maduro (ao centro) e ministro da Defesa, Vladimir Padrino (esq.) em marcha militar — Foto: Divulgação/ Ministério Defesa da Venezuela

Imagem mostra Maduro (ao centro) e ministro da Defesa, Vladimir Padrino (esq.) em marcha militar — Foto: Divulgação/ Ministério Defesa da Venezuela

De um lado, Maduro fez pronunciamento ao vivo ao lado da cúpula das Forças Armadas e apareceu ao lado de fileiras de militares. No Twitter, o chavista postou um vídeo com discurso que prega a unidade dentro do exército.

“O futuro da Venezuela tem que ser de paz, a prosperidade, o trabalho, esperar as dificuldades que teremos e enfrentá-las, mas unidos, sempre unida a Força Armada Nacional Bolivariana”, diz Maduro.

Militares apoiadores de Guaidó se posicionam com fuzis duante da base aérea 'La Carlota', em Caracas — Foto: Matias Delacroix/AFP

Militares apoiadores de Guaidó se posicionam com fuzis duante da base aérea ‘La Carlota’, em Caracas — Foto: Matias Delacroix/AFP

About Author

jornalcometa

jornalcometa

Related Articles

App Jornal Cometa